Carlos M?lo(esq.) e Birigui(dir) conversam com o p?blico sobre os seus trabalhos, durante a abertura do ciclo de exposicoes do Espa?o Oco em Belo Jardim/PE

A Resid?ncia Belojardim, lan?ada no ano passado pelo Instituto Concei??o Moura (ICM), retorna ao munic?pio em 2018 com a participa??o do artista pernambucano Carlos M?lo (Riacho das Almas, 1969). Idealizada por Mariana Moura, presidente do ICM, e com curadoria de Cristiana Tejo e Kiki Mazzucchelli, e produ??o da Automatica (RJ), a resid?ncia tem como objetivo expandir as a??es culturais do instituto para o campo das artes visuais, contemplando um artista a cada ano para desenvolver projetos especialmente comissionados que dialogam com as diferentes din?micas culturais, econ?micas, pol?ticas e sociais da regi?o agreste de Pernambuco.
O projeto concebido por Carlos M?lo tem como foco a Comunidade Quilombola do Barro Branco, que luta pelo reconhecimento oficial que lhe garantiria a posse do territ?rio no qual se estabeleceu h? v?rios anos, localizado nos arredores de Belo Jardim. Desde o in?cio do m?s de mar?o, o artista mudou-se para a cidade e iniciou uma aproxima??o com a comunidade, com a qual ele j? havia estabelecido um contato em 2014, quando levou uma exposi??o a Belo Jardim. A imers?o do artista em Barro Branco marca o in?cio de um processo que visa a produ??o do m?dia-metragem Barro Oco, cujo foco ? o olhar sens?vel sobre a comunidade como gerador de din?micas de resgate de sua subjetividade.
Para marcar o in?cio do processo, no pr?ximo dia 19, o artista inaugura o Espa?o Oco, na F?brica Mariola, espa?o cultural ligado ao ICM, que funcionar? como ponto irradiador de conversas e de contato com a popula??o da cidade. O local permanecer? aberto ao p?blico durante toda a resid?ncia e ser? ativado com uma s?rie eventos e performances (cronograma a ser divulgado em breve). Al?m disso, a F?brica receber? a obra Corpo Barroco (2014), que ficar? no local, de modo a sublinhar como o trabalho em curso em Belo Jardim se relaciona a uma s?rie de obras que o artista vem desenvolvendo nos ?ltimos anos. Durante a inaugura??o, Carlos M?lo vai apresentar a performance Tripa (2016), criada a partir de uma resid?ncia do artista realizada no Cariri em (2015). Neste trabalho, ele tece uma manta com tripas de boi, como uma esp?cie de tric?, propondo uma reflex?o sobre a ocidentaliza??o dos ?ndios do Cariri; numa proposta que adquire nova expressividade no contexto de uma comunidade quilombola.
O FILME
O trabalho de prepara??o do filme iniciou em meados de mar?o, com a participa??o do professor carioca Tarc?sio Almeida (pesquisador do N?cleo de Subjetividade da PUC-SP), que colaborou com o artista num processo de escuta dos membros da comunidade, fornecendo elementos para a elabora??o de um roteiro a ser desenvolvido por M?lo em parceria com Sergio Raposo. No m?s de maio, o artista iniciar? a grava??o do filme que ter? como base sua interlocu??o com a jovem ativista Elaine Lima, que lidera a Comunidade.
Mais do que um document?rio no sentido tradicional, o filme ser? o resultado de um processo de imers?o da equipe do projeto no cotidiano de Barro Branco e da proposi??o do conceito de ?devir-quilombo? que, na vis?o de M?lo, seria um dispositivo de constru??o da subjetividade que ?nos permite escapar de condicionamentos sociais para criar grupos auto-organizados?.
O document?rio acompanhar? a instala??o de uma escultura de grandes dimens?es na ?rea que delimita o territ?rio da comunidade com as terras de uma grande fazenda, reivindicadas pelos habitantes de Barro Branco. Junto com os moradores, o artista vem compondo a estrutura de madeira, que est? sendo revestida por uma colcha de ossos, material com o qual M?lo j? trabalhou anteriormente. Aqui, o osso ? entendido como uma esp?cie de barro branco oco, numa alus?o ao nome da comunidade e a sua for?a de resist?ncia.
Al?m disso, a fim de contextualizar a produ??o do artista, uma sele??o de obras anteriores ser? apresentada em uma exposi??o individual no SESC-Belo Jardim, com inaugura??o prevista para o dia 24 de maio, e curadoria de Cristiana Tejo e Kiki Mazzucchelli. A proposta ? apresentar um recorte da produ??o de M?lo, aproximando a popula??o da cidade dos temas e po?ticas caros ao artista, colocando-as em di?logo com as propostas da resid?ncia. Complementando a programa??o, o Cine Jardim exibir? uma sele??o de trabalhos em v?deo de Carlos M?lo no in?cio de junho, acompanhado por um programa de conversas com o artista e convidados especiais, que ser? inaugurado no in?cio de maio com a participa??o do curador Marcos Lontra.
A edi??o do filme est? prevista para junho, ainda, e a sua exibi??o em Belo Jardim est? agendada para o per?odo de encerramento da resid?ncia, entre 14 e 30 de junho, junto com um ciclo de conversas e lan?amento de uma publica??o condensando a trajet?ria do projeto e as discuss?es levantadas durante os meses de atividade.
O artista:
Carlos M?lo/1969

Carlos M?lo conversa com o p?blico sobre o seu trabalho, durante a abertura do ciclo de exposi??es do Espa?o Oco em Belo Jardim/PE

? um artista pl?stico brasileiro conhecido pelas suas performances, fotografias, v?deos e instala??es. Segundo Moacir doa Anjos, ?seus estranhos auto-retratos   fundem corpo e palavra, fazendo do signo da l?ngua uma marca da individualidade, ?ndice de um corpo gen?rico?. Ou ainda: ?Tamb?m as imagens que cria buscam diluir o que torna o seu corpo ?nico e mostr?-lo, ao contr?rio, como corpo comum e exemplar.   Prosseguindo e, ao mesmo tempo, desviando esta linha de interpreta??o, mais do que marcar a suposta individualidade do corpo e sua unicidade, ele talvez marque a esfera representacional identit?ria que o fixa numa forma e, junto com ela, a forma de uma subjetividade?.
A obra de Carlos busca afirmar o singular, o intensivo, o afetivo. Da acordo com Suely Rolnik, ?a obra de Carlos demarca um territ?rio, ou melhor, o instaura. Como nos animais, isso se faz por meio de dispositivos sempre ritualizados, que s?o, mais do que tudo, ritmos. Por?m, diferentemente dos animais, aqui, o ritual e seu ritmo est?o constantemente mudando; eles se inventam a cada vez em fun??o do meio onde se fazem e do campo problem?tico que buscam enfrentar. Para isso o artista instala-se na iman?ncia do mundo, ao p? do real vivo, s? apreens?vel por afeto?.
Com v?rias forma??es e pesquisas no ramo das artes e filosofia, desenvolve uma atividade art?stica regular de ?mbito nacional e internacional. Exp?e regularmente em circuitos institucionais (entre eles   VideoBrasil, S?o Paulo; MAMAM, Recife; Funda??o Joaquim Nabuco, Recife; Ita? Cultural, S?o Paulo;   Krannert Art Museum, Champaign, EUA; Plataforma Rev?lver, Lisboa. Trabalha com a Galeria Emmathomas (S?o Paulo) e Amparo 60 (Recife). Foi premiado em diversos sal?es de arte nacionais e em 2006 recebeu com o Pr?mio CNI Marcantonio Vila?a para as artes visuais.

Servi?o:

Resid?ncia Belojardim  ? Carlos M?lo (Ciclo de exposi??es art?sticas em Belo Jardim)
19 de abril a 30 de junho de 2018

Espa?o Oco
F?brica Mariola
Pra?a Jorge Aleixo, s/n
Centro ? Belo Jardim
Hor?rio de visita??o
Segunda a sexta, das 14h ?s 18h

Na internet: residenciabelojardim.tk
https://www.facebook.com/residenciabelojardim/